Páginas

26 abril 2012

Dérbi: Autoridades armam esquema para "Exército de 900 homens"


Autoridades se reuniram na quarta e juntam as torcidas na quinta

Campinas, SP, 25 (AFI) - Fora de campo, a Polícia Militar organizou mais uma reunião visando a segurança do dérbi de domingo, entre Guarani e Ponte Preta, válido pelas semifinais do Campeonato Paulista. Toda estratégia de segurança foi traçada, nesta quarta-feira, em reunião acontecida na sede do 35.º Pelotão da Polícia Militar de Campinas. Desta vez com representantes da Guarda Municipal e da Polícia Civil, Emdec, responsável pelo trânsito, e Setec, que cuida da venda de produtos nos arredores do estádio. No total será um "exército" de 900 pessoas envolvidas nestas ações.


O tenente-coronel Coelho coordenou a reunião. E solicitou das autoridades um número grande de grades para facilitar a entrada e organização dos torcedores, tanto do lado da Ponte (nos fundos do estádio) como do Guarani, no Tobogã e nos portões principais. Da Setec pediu o respeito à legislação, com a probição de venda de qualquer produto, principalmente bebidas alcoolicas, pela distância de 200 metros das barreiras policiais.

A Polícia Militar vai usar todo seu efetivo com policiais, Tropa de Choque, cães e o helicoptero Águia. Vai vigiar os principais corredores da cidade (avenidas), além de terminais de ônibus e locais de aglomeração.

A Polícia Civil, através do 10.º Distrito Policial, que fica perto do Majestoso, vai mantar a sua sede aberta, bem como vai armar uma Delegacia Móvel para analisar casos mais urgentes. Menores de 12 anos só poderão ir ao jogo acompanhados de pais ou responsáveis, devidamente documentados.


Com torcidas
Nesta quinta-feira, de novo, na sede do 35.º Batalhão da PM, haverá uma reunião com as torcidas organizadas para apresentar os procedimentos que elas devem tomar no dia do jogo. E vai traçar o trajeto com a torcida da POnte Preta, que deve ser escoltada do Estádio Moisés Lucarelli até o Brinco de Ouro, provavelmente descendo a Rua Uruguaiana, ao lado do Bosque dos Jequitibás.

A torcida Fúria Independente, do Guarani, e Torcida Jovem, da Ponte Preta, estão proibidas pelo Ministério Público de comparecerem ao estádio. Elas estão punidas por terem se envolvido numa briga em março, que resultou na morte do bugrino Anderson Ferreira, de 28 anos. Oito torcedores ligados à Torcida Jovem foram presos e indiciados pelo crime e formação de quadrilha.


xtraída de: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado pela sua contribuição.
Inspetor Frederico

Onde Encontrar os Livros? Clik no Banner

Fale Conosco

Assunto do contato
Nome
E-mail
Mensagem
Cidade
Estado



http://www.linkws.com