Páginas

24 julho 2011

Guarda investiga morte de filho



SÃO PAULO
No dia 1º de maio, o guarda-civil Claudio Martins de Freitas, de 50 anos, viveu uma tragédia. Os filhos Cleiton, de 21 anos, e Jefferson, de 18, roubaram um carro em Diadema. Cleiton foi preso pela Polícia Militar no Centro de Detenção Provisória (CDP) de São Bernardo do Campo. Jefferson tentou fugir e acabou morrendo. Segundo a PM, Jefferson reagiu a tiros e por isso foi alvejado. O pai não acreditou nessa versão. Passou a investigar o crime por conta própria. Ele deu o seguinte depoimento à reportagem:
"Depois de 50 anos em Diadema, onde nasci e me criei, minha vida seguia nos eixos. Apesar das dificuldades financeiras, eu tinha um emprego estável e dois carros na garagem. Meus filhos pareciam encaminhados.
Cleiton, o primogênito, era professor de capoeira e trabalhava em uma empresa de segurança. Fumava maconha. Mas nunca teve problemas com a polícia. Do Jefferson, o mais novo, a gente esperava um futuro promissor. Trabalhava na empresa de segurança com o irmão e consertava computadores. Tentava uma bolsa para cursar Educação Física na Faculdade Anchieta. Acordava às 6 horas e fazia academia desde os 14 anos.
No dia 1.º de maio, tudo virou de ponta-cabeça. Meus filhos fizeram uma loucura e roubaram um carro. Eram 2 horas da tarde. Eles abordaram uma senhora aos gritos e levaram o Siena. Nada justifica a ação dos dois e eu defendia que eles pagassem com o rigor da lei. Só não admito o que aconteceu. O Jefferson foi executado pelos PMs. É a minha convicção desde que passei a investigar o caso por conta própria.
A PM os abordou e eles tentaram escapar, mas bateram o carro. Nessa hora, o Cleiton se entregou. Mesmo assim, tomou tiros. Um deles atingiu seus óculos, queimou a lateral da cabeça e feriu o dedão, o que mostra que estava com as mãos levantadas. Foi preso em seguida.
O Jefferson saiu correndo para uma rua próxima. Foi perseguido por uma viatura. Se escondeu na garagem de um sobrado, atrás de um carro. Um dos policiais gritou ‘sai ladrão, que a casa caiu’. Saiu desarmado e tomou três tiros. Um na cabeça e dois no peito.
Desde que o crime aconteceu, eu me sinto desamparado. Quase nada avançou nas apurações da morte do Jefferson. Ele morreu às 4 da tarde. O DHPP (Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa) chegou às 8h20 da manhã seguinte. Até agora, eu não fui ouvido. Nem as testemunhas que eu encontrei.
O dono da casa onde o Jefferson se escondeu narrou que só ouviu tiros disparados pela PM. E que meu filho não atirou. Fui ao local, me apresentei a ele e expliquei a situação. O homem era evangélico e sugeriu que eu fosse fundo na investigação porque o Jefferson tinha sido executado. Eu sei que a vítima do roubo falou que meus filhos estavam armados. Mas ela só foi depor no dia seguinte. Daria tempo para forjar uma versão."

Extraído de:  http://www.odiariodemogi.inf.br/noticia_view.asp?mat=30857&edit=4

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado pela sua contribuição.
Inspetor Frederico

Onde Encontrar os Livros? Clik no Banner

Fale Conosco

Assunto do contato
Nome
E-mail
Mensagem
Cidade
Estado



http://www.linkws.com