Páginas

19 novembro 2009

Guardas municipais reclamam de riscos


Antonio Costa/Gazeta do Povo


Correto seria que os guardas municipais trabalhassem sempre em dupla. Quando foi morto com três tiros, Leocádio Silva estava sozinho no plantão

Guardas municipais reclamam de riscos

No velório do colega morto em serviço, servidores dizem que não têm equipamentos nem treinamento suficientes

Publicado em 17/11/2009 | MARCOS XAVIER VICENTE

Guardas municipais de Curitiba reclamaram ontem, durante o velório do servidor Leocádio Swami de Mello e Silva, morto domingo com três tiros, dos riscos a que estão expostos diariamente por causa das condições de trabalho. A alegação é de que a prefeitura não fornece equipamentos suficientes, nem treinamento adequado, além de o efetivo ser pequeno para o cumprimento do trabalho. Dessa forma, os guardas mu nicipais seriam alvos fáceis dos criminosos – muitos dos quais visam apenas as armas dos servidores. Só nos últimos cinco meses, quatro guardas municipais de Curitiba foram assassinados.

Swami, 59 anos, foi enterrado ontem, no Cemitério Vertical. Ele trabalhava na Escola Municipal Senador Enéas Faria, no Cajuru. Domingo, ele era o único guarda responsável pela segurança de um evento do programa Comunidade Escola, quando foi abordado por um rapaz. Após tomar a arma do guarda, o rapaz disparou três vezes: duas no peito e uma na perna do guarda. Swami morreu no local, por volta das 16 horas. Momentos antes do homicídio, Swami teria deixado o colete à prova de balas na viatura por causa do calor.

Investigações

Polícia prende um suspeito

Policiais de Delegacia de Furtos e Roubos (DRF) prenderam ontem um rapaz suspeito de ser o assassino do guarda municipal Leocádio Swami de Mello e Silva. A identidade do suspeito, que seria ouvido ainda ontem, não foi informada pela polícia. A arma roubada do servidor municipal ainda não foi encontrada.

O superintendente da DRF, Fioravante Perruchon, informa que por enquanto a principal suspeita é de que o assassino tenha abordado Swami apenas para roubar sua arma funcional. “Até que se prove o contrário, foi roubo e o guarda estava cumprindo o seu dever”, afirma o policial.

Sobre os outros três assassinatos de guardas municipais nos últimos cinco meses, Perruchon afirma que os casos não têm relação um com o outro. “Nos outros três os autores já foram identificados e estão com mandados de prisão expedidos”, afirma o superintendente da DRF. (MXV)

De acordo com os servidores que estavam no velório, o correto seria que todos os guardas municipais trabalhassem em dupla. O que não tem acontecido, principalmente quando o trabalho é de preservação do patrimônio municipal. “Geralmente fica apenas um guarda pra cuidar sozinho de escola ou de um prédio e muitas vezes sem arma. Como é que o guarda sozinho vai abordar e revistar um suspeito? Não tem como”, aponta a diretora de Assuntos Jurídicos do Sindicato dos Servidores Municipais de Curitiba (Sismuc), Irene Rodrigues. Segundo Irene, há três anos o sindicato tem levado à prefeitura reivindicações por melhorias na categoria. Mas até agora, afirma a sindicalista, nada foi feito. No dia em que morreu, Swami – que era cardíaco e se aposentaria em janeiro –, cumpriria sozinho um plantão de 24 horas.

Outro ponto levantado pela classe é em relação ao equipamento e treinamento. Dos dez guardas municipais com que a reportagem conversou, todos disseram que fizeram treinamento de tiro apenas quando entraram na corporação. “Estou há 17 na Guarda Municipal e desde que entrei nunca mais pratiquei tiro”, afirma o guarda Mário César Ramos dos Santos, 43 anos. Santos afirma que, mesmo trabalhando em uma escola em uma das áreas mais perigosas da cidade, a Vila Icaraí, no Uberaba, onde no mês passado oito pessoas morreram em uma chacina, só há dois meses a corporação lhe entregou um revólver para trabalhar. “Isso porque eu tive de pedir muito”, afirma Santos.

Medo

Os guardas municipais também afirmam que são proibidos de ir para casa com o armamento da corporação. “Aí é que ficamos mais expostos ainda, porque estamos fardados, mas desarmados”, reclama uma guarda municipal que, por segurança, sempre volta para casa sem farda após o expediente. “De farda, não pago ônibus. Mas como tiro a farda, volto a pé. Tenho marido e filhos me esperando em casa, não posso me arriscar dessa forma”, ressalta.

Em relação ao colete à prova de bala, eles dizem que cada um tem o seu. O que não é garantia de segurança. “A bandidagem visa muito os coletes. E se estivermos desarmados, não há como reagir”, afirma um servidor que prefere não se identificar.

Para tentar garantir a segurança pessoal, muitos guardas municipais estão adquirindo armas próprias. “Recebo R$ 1,7 mil de salário e tive de gastar R$ 2,3 mil para comprar e regularizar minha arma. Tirei dinheiro da minha família para garantir minha segurança”, aponta outro guarda que também prefere não se identificar.

Procurado pela reportagem, o secretário municipal de Defesa Social (responsável pela Guarda), Itamar dos Santos, preferiu não se pronunciar enquanto as investigações da Polícia Civil sobre a morte de Swami não forem concluídas.

    Fonte :
http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=945209&tit=Guardas-municipais-reclamam-de-riscos

Um comentário:

  1. Quero parabenizar o marvilhoso trabalho e o comprometimento dos Guardas Municipais que vem cumprindo uma árdua missão devido a lacuna deixada na Segurança Pública. Mesmo, com toda as dificuldades encontradas no dia a dia.. Parabéns.

    Gestor de Segurança.
    Cur.Especialização em Gerenciamento de Crise e Desastre, Fábio André Nt.
    GM/RIO.

    ResponderExcluir

Muito obrigado pela sua contribuição.
Inspetor Frederico

Onde Encontrar os Livros? Clik no Banner

Fale Conosco

Assunto do contato
Nome
E-mail
Mensagem
Cidade
Estado



http://www.linkws.com